sábado, 5 de julho de 2014

Luz perigosa.

Artigo publicado pelo Boletim EcoDebate alerta para os perigos de uma prática que, por questão de economia, já se tornou rotineira no mundo todo; a substituição de lâmpadas incandescentes pelas fluorescentes.“Já fora de circulação na Europa, as lâmpadas incandescentes também estão com os dias contados no Brasil. A partir desta terça-feira (01/07), as de 60 watts deixam de ser fabricadas e importadas. As mais fortes já foram proibidas, e as mais fracas sairão de produção em 2015. Se, por um lado, a iniciativa tem por objetivo economizar energia, por outro pode causar danos ambientais e à saúde.

Para que a substituição das lâmpadas incandescentes pelas fluorescentes seja vantajosa em todos os aspectos, ela precisa vir acompanhada da destinação final correta dos novos modelos, que contêm chumbo e mercúrio. Se simplesmente jogadas no lixo comum, as lâmpadas fluorescentes podem contaminar o ar, o solo e os lençóis freáticos.

O mercúrio e o chumbo são extremamente tóxicos e prejudiciais à saúde. O mercúrio tem um efeito cumulativo no organismo, ataca o sistema nervoso e pode resultar em má formação embrionária, câncer e até morte. O chumbo também causa câncer e ataca o cérebro, os rins e os sistemas digestivo e reprodutor.”                                   LER NA ÍNTEGRA.

Parece que o grande problema é não existirem, ainda, locais de coleta adequados; se você precisa descartar algum produto TENTE AQUI, talvez tenha sorte.

Outro ponto a ser considerado é o efeito nocivo da irradiação que as lâmpadas fluorescentes emitem e, até onde sei, é melhor usá-las em uma distância maior e dentro de uma luminária de vidro, o que aumentaria a proteção.