domingo, 28 de abril de 2013

Compaixão 2.

Em um canal de TV a cabo uma vinheta cômica diz:

“Rir é saudável, não é preciso ser médico para saber disso.”

Também não precisei me tornar médico para saber que meditar é saudável, mas saber que estimula diretamente a compaixão é alentadora novidade.

Para tudo que o ser humano pode fazer existem neurônios, em áreas especificas do cérebro, que precisam ser ativados; assim é para andar, falar, escrever, ver, ouvir e também sentir compaixão. Se as estruturas físicas estiverem íntegras ver e ouvir é automático, compreender o que é visto e ouvido depende de aprendizado; para andar e falar é necessário aprender mas é praticamente automático porque (quase) todas as pessoas fazem isso e as imitamos; já aprender outra língua exige interesse e empenho; e quanto à compaixão?

Compassividade é sentimento/comportamento que temos de aprender e desenvolver, e os neurônios responsáveis encontram-se no córtex pré-frontal ventromedial do cérebro que, até onde sei, representa a estrutura mais nobre e recente no processo evolutivo da espécie humana… Toda espécie desenvolve, exclusivamente, os atributos necessários para sua sobrevivência, nada é supérfluo, portanto é correto entender que se nossa espécie desenvolveu as estruturas necessárias para sermos compassivos é porque nossa sobrevivência depende também disso… Empatia e compaixão equilibrando o poder destrutivo do homem… Saber que meditação colabora com nossa evolução e sobrevivência é realmente alentador.

È necessário meditar, não é preciso ser médico para saber disso!