domingo, 31 de julho de 2011

Ecomedicina – Notícias.

A oferta da Homeopatia. 

Em 1978 a Organização Mundial da Saúde (OMS) abriu a perspectiva dos debates sobre o cuidar de forma integral, inclusive, com o uso de práticas não biomédicas da saúde e em 2002, propôs que até 2005 os países instituíssem em seus Serviços de Saúde Pública, a Medicina Tradicional e as Medicinas Alternativas e Complementares. No Brasil, em maio de 2006, foi publicada a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), que traz as estratégias para a implementação da homeopatia e outras práticas no Sistema Único de Saúde (SUS). Diante disso, como estaria a oferta da Homeopatia no SUS dos 645 municípios do Estado de São Paulo? Esta pergunta foi o ponto de partida do trabalho desenvolvido pela médica Wania Galhardi em sua tese de doutorado e é sobre este trabalho o artigo que ela escreveu para o Ecomedicina.         Confira!http://www.ecomedicina.com.br/site/conteudo/tema11.asp

Agro Homeopatia: caminho para saúde, preservação do meio ambiente e sustentabilidade.

Aumentar a resistência da planta e sua massa de forma homogênea e o controle de pragas, contribuindo para que um novo modelo de agricultura surja e se desenvolva, permitindo o consumo de alimentos saudáveis, a preservação do meio ambiente e a sustentabilidade. Este é o objetivo de Gerson Vitor Dalmolin, médico homeopata com título de especialista pela Associação Médica Brasileira e especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Associação Médica Brasileira que se dedica a pesquisas na área de Agro homeopatia. Nesta entrevista ao Ecomedicina ele fala do trabalho que vem realizando e traça um panorama da Agro- homeopatia, hoje, no Brasil.                                      Confira! http://www.ecomedicina.com.br/site/conteudo/entrevista28.asp

Democracia na Saúde JÁ! conquista adeptos no Congresso de Farmácia e Bioquímica de Minas Gerais.  

Em sua 11ª edição, o Congresso de Farmácia e Bioquímica de Minas Gerais manteve a missão de zelar pela ética, qualificar, defender e servir a profissão farmacêutica. Tendo entre seus temas Homeopatia e Fitoterapia, o congresso contou com a participação de Hylton Sarcinelli Luz, presidente da Ação pelo Semelhante. Ele apontou a Política Nacional de Práticas Integrativas como um grande avanço para a democracia e a sociedade brasileira, mas que, segundo ele, corre o risco de jamais sair do papel. Para evitar que esta previsão negativa se concretize, Hylton indicou o caminho que tem recebido apoio e adesão da sociedade: o abaixo-assinado da Democracia na Saúde JÁ! http://www.ecomedicina.com.br/site/conteudo/campanha2.asp 

Sociedades homeopáticas declaram apoio à nota técnica do MS sobre o uso da Homeopatia no tratamento e na prevenção à dengue.   

Deixar claro para o Ministério da Saúde que os médicos homeopatas estão interessados em implantar intervenções de forma conjunta. Este é o propósito da declaração que diversas sociedades homeopáticas fizeram em apoio à nota técnica sobre o uso da Homeopatia no tratamento e na prevenção a dengue elaborada e divulgada pelo ministério. O documento foi enviado pelo correio e por e-mails para o gabinete de ministro da Saúde, a Secretaria de Vigilância em Saúde, a Coordenação Geral do Programa Nacional de Controle da Dengue, o Departamento de Atenção Básica, o Departamento de Gestão Participativa, a Coordenação de Nacional de Práticas Integrativas e a Secretaria de Assistência à Saúde.                                                                   Saiba mais! http://www.ecomedicina.com.br/site/conteudo/noticia85.asp

sábado, 9 de julho de 2011

Metamorfose.

Nunca fui muito ‘ligado’ a carros, para mim são como ferramentas, a gente usa quando precisa realizar uma tarefa; carro é a ferramenta que me leva aonde preciso ir e tem que estar funcionando direito, por isso tenho mais cuidado em escolher o mecânico que o lavador.

Mas até em propagandas dizem que brasileiro é apaixonado por carros… Não concordava, achava que era ‘papo de vendedor’, mas Luis Fernando Veríssimo colocou dúvidas em minha cabeça ao, em um de seus livros(1), escrever:

“…

Outra paixão misteriosa é a do homem pelo seu carro. Ou não tão misteriosa. A sensação de que basta espremer um pequeno acelerador para ter vários cavalos de força sob seu comando é um dos maiores prazeres que o mundo moderno proporciona ao homem. O homem e a máquina são uma coisa só. O motor é a sua energia, o sistema elétrico são seus nervos em perfeita sincronia, os pneus são suas garras de tigre devorando distâncias sem esforço, a gasolina é seu sangue, as prestações a pagar são seus vínculos com a realidade e com seus limites humanos.”

Também reafirma o fato de que muitos de nós, se não todos, mudamos de comportamento quando  ‘ao volante’, transformando o que deveria ser um pacífico ir e vir numa luta pela sobrevivência:

“…

Fora do carro, você está preparado para fazer todas as concessões em nome da cortesia e da boa convivência. Você é respeitoso, pacífico, solícito – enfim, um pedestre. Mas entre no seu carro e veja o que acontece. A civilização desaparece, a besta toma conta. Alguns racionalizam esta transformação e explicam que só agem assim em legítima defesa. Precisam se defender de palermas que querem deter a sua marcha e só estão esperando uma oportunidade para arranhar seu pára-lama e roubar sua vaga. Ou seja, todos os outros motoristas. O inimigo.”

E ainda conclui magistralmente:

Não é por nada que Sigmund Freud nunca quis ter automóvel. Sabia de todas as suas conotações simbólicas. Preferia uma charrete. Que, curiosamente, ele chamava de “mamãe”.”

(1)Paixões, do livro O Melhor das Comédias da Vida Privada.

domingo, 3 de julho de 2011

“Cérebro de pipoca”

São Paulo, domingo, 03 de julho de 2011

GILBERTO DIMENSTEIN
Cérebro de pipoca


Pesquisadores detectam há tempos distorções, como a compulsão para se manter conectado, como um vício

“O GOOGLE anunciou na semana passada um projeto para enfrentar o Facebook, disposto a reinventar a mídia social. A notícia teve óbvio impacto mundial e despertou a curiosidade sobre mais uma rodada de inovações tecnológicas, capazes de nos fazer ainda mais conectados.
No dia seguinte, porém, o Facebook reagiu e anunciou para esta semana uma novidade também de grande impacto, possivelmente em celulares. Para alguns psicólogos americanos, esse tipo de disputa produz um efeito colateral: um distúrbio já batizado de "cérebro de pipoca".
Esse distúrbio é provocado pelo movimento caótico e constante de informações, exigindo que se executem simultaneamente várias tarefas. Por causa de alterações químicas cerebrais, a vítima passa a ter dificuldade de se concentrar em apenas um assunto e de lidar com coisas simples do cotidiano, como ler um livro, conversar com alguém sem interrupção ou dirigir sem falar ao celular. É como se as pessoas tivessem dentro da cabeça a agitação do milho explodindo no óleo quente.
A falta de foco gera entre os portadores do tal "cérebro de pipoca" um novo tipo de analfabetismo: o analfabetismo emocional, ou seja, a dificuldade de ler as emoções no rosto, na postura ou na voz dos indivíduos, o que torna complicado o relacionamento interpessoal.”

Para ler a matéria completa acesse: http://sergyovitro.blogspot.com/2011/07/gilberto-dimenstein-cerebro-de-pipoca.html